Hip Hop, filosofia, espiritualidade e metafísica. KRS-One e seus novos projetos

1
677
Krist “KRS-ONE” Parker. Foto: Reprodução/Google

#Tradução #Internacional
Por Temple Of Hip Hop* | Tradução por Noise D

A maioria das pessoas não compreendem que fazem parte da história até ser tarde demais, disse KRS-One numa recente entrevista. O Hip Hop é uma cultura global e nós somos seus arquitetos culturais. O que falamos e fazemos hoje será a história estudada no futuro. Aquilo que acreditamos de nós mesmos hoje será o que nossas crianças irão acreditar sobre elas mesmas amanhã. Nossas ações hoje irão informar nossas crianças sobre o que elas são capazes e o que elas podem se tornar. É tempo de abordar a cultura Hip Hop como cultura global que ela realmente é.

Muitas pessoas confessam que são fãs de longa data da música de KRS-One, mas, atualmente, mais e mais pessoas estão se tornando estudantes e aprendizes dos ensinamentos de KRS-One e sua visão sobre o Hip Hop.

KRS-One se apresentou diversas vezes nos últimos 10 anos, mas recentemente ele e seu público demonstram fome pelo que ele mesmo chama de “HopHoppia” – a nova “cidade do Hip Hop”. Àqueles que acompanham o portal Temple of Hip Hop já ouviram KRS falar sobre isso, e agora tivemos a chance de sentar com o “Professor” e conversar com ele sobre seus próximos projetos, seu novo livro, seu DVD “Free Style” – um tutorial para MCs – e sobre a cidade a tal “HipHoppia”.

Pergunta: No palco você falou sobre as pessoas não se darem conta que elas são a história, até que seja tarde demais. Pode falar mais sobre isto?

KRS-One: A declaração fala por si só. A maioria das pessoas não se dá conta que suas próprias ações e palavras são os ingredientes da história que eles, e suas crianças, irão viver no futuro. A ideia é viver uma vida da qual você tenha orgulho. Dar a você boas memórias em vivendo uma boa vida no presente. Sentimentos de inveja, raiva, tristeza e preocupação, e as ações que seguem com eles, nutrem uma vida de culpa no futuro. Mas sentimentos de paz, amor unidade e alegria, e as ações que seguem com estes sentimentos, nutrem um futuro empoderado. É bem simples. É por isto que é importante vivermos a vida de forma reta. Uma vida reta te dará lindas memórias. Te dará confiança em quem você é e naquilo que você é capaz de ser.

KRS-One no estúdio. Foto: Temple Of Hip Hop

Pergunta: Você postou fotos suas no estúdio, junto com Dr. Dre. Ele está produzindo seu próximo álbum?

KRS-One: Ainda não. E eu digo isto com cautela, porque ele está reunindo e mixando tudo o que fizemos em estúdio até o momento e ele pode “aumentar” minha produção ou mudar uma música por completo. Estou aberto a qualquer coisa. No entanto, no momento o envolvimento dele têm sido mais como produtor executivo do que um produtor musical. Ele está apenas ajudando um irmão. Mas a gente vai ver. Dre e seu time vieram em meu auxílio quando precisei. Fizemos uma ligação e quando me dei conta, Dre estava no estúdio. Eu realmente sou agradecido por isto. Meu novo projeto chama-se “Street Light” [Luz das Ruas] e existem diversos produtores musicais envolvidos nele. DJ Static, que toca com Immortal Technique, Sun-One (Temple of Hip Hop), Kid Capri, o polonês Mlody, meu filho, DJ K-Prime, e eu mesmo estamos envolvidos na produção do álbum até o momento.

O Hip Hop é como um grande poste de luz, que brilha na escuridão das ruas

Dr. Dre e KRS-One. Foto: Reprodução/Twitter

Pergunta: Colaborações com outros artistas?

KRS-One: Apenas G Simone, Freddy Foxxx e Sun One até o momento. Mas anteriormente, em 2018, eu colei com Redman, EPMD, Papoose, Rah Digga, M.O.P e outros. Tenho feito tours desde então. Talvez seja o momento de colar com eles de novo.

Pergunta: Porque você chamou o projeto de “Street Light”?

KRS-One: Bem, eu estou o tempo todo tentando achar referências filosóficas e metafísicas para a cultura Hip Hop, quando elaboro meus álbuns. A luz da rua, a luz do poste que a gente vê brilhando na escuridão das ruas, é simbólica para o Hip Hop. O Hip Hop é como um grande poste de luz, que brilha na escuridão das ruas. Em verdade, foi nesses postes de luz da cidade que os DJs do Hip Hop buscaram sua energia para ligarem seus sound systems em seus apartamentos. Eu chamo o projeto de “Street Light” porque, além de buscar chamar a atenção para o estilo original dos MCs, busco enviar algumas mensagens necessárias aos mais jovens, no que diz respeito ao uso de suas mentes e a realidade da vida espiritual. Este projeto é um equilíbrio entre letras pesadas e letras filosóficas de luz.

Pergunta: Na sua música “South Bronx“, você se declara: eu sou o “Professor” e os outros são “Reis”. Desde o momento em que você surgiu na cena do rap, em 1986, você é conhecido como “The Teacha” [O Professor]. O primeiro e oficial professor do Hip Hop. Qual é então o seu ensinamento básico, e o que é que você quer que o Hiphoppas saibam?

KRS-One: Bem, como você sabe, meus ensinamentos básicos podem ser encontrados no livro “The Gospel Of Hip Hop”. No entanto, o ponto principal é aliviar o sofrimento humano através da consciência, através do conhecimento, através de um conceito que eu chamo de “edutainment”, educação através do entretenimento. A maioria das pessoas sofre não apenas por causa de injustiça ou corrupção, mas mais por causa da ignorância. Sua própria ignorância. Não saber do que você é capaz, ou quem você realmente é “fora do seu nome”, sua idade e seu emprego, é a principal causa de dúvida, preocupação e depressão, e portanto fracasso. Por exemplo: você sabe, dirigir um carro é perigoso. Mas você não entra no seu carro preocupado em dirigir porque sabe como dirigir. Você tem um conhecimento, uma consciência, de dirigir, e essa consciência, esse conhecimento, é o que elimina todos os medos e anula todos os perigos potenciais. Alguém, sem saber como dirigir um carro, deve sentir alguma ansiedade se tiver que dirigir um carro. O mesmo pode ser aplicado à própria vida.

(…) o conhecimento é o que está no topo, e é o conhecimento que coloca alguém no topo! No topo da vida. Não dinheiro, nem fama, nem recursos. O conhecimento reina supremo e, para que nosso povo realmente reine supremo, precisamos de conhecimento

Na maioria das vezes as pessoas ficam estressadas, deprimidas, ansiosas, com raiva e todo o resto, simplesmente porque elas não conhecem realmente o sentido da vida. A vida não é algo que eles estudam. É algo pra possuir ou tirar, não é um evento a ser estudado em si mesmo. É assim que a maioria das pessoas vive suas vidas. Mas, no que diz respeito à própria vida, o conhecimento é o que está no topo, e é o conhecimento que coloca alguém no topo! No topo da vida. Não dinheiro, nem fama, nem recursos. O conhecimento reina supremo e, para que nosso povo realmente reine supremo, precisamos de conhecimento. Todos nós! É por isso que eu existo. Quando se trata do nosso povo, do povo do Hip Hop, da cultura atual do Hip Hop, há certas coisas que precisamos saber em prol da nossa própria sobrevivência e crescimento. E é isso que eu ensino. Mas o que nós Hiphoppas realmente precisamos saber é que somos um povo integrado e sagrado com poder onipresente. Nós não somos simplesmente um gênero musical, somos uma nova civilização na Terra, e precisamos começar a agir como uma.

Parece que a velocidade mais rápida do universo é a quietude. Não se trata de buscar oportunidades, é aprender a ter a paciência suficiente para receber diretamente da própria vida.

Pergunta: Por um curto período de tempo você disponibilizou trechos de sete de seus novos livros. Primeiro de tudo: onde você encontra tempo para escrever sete livros, fazer turnês e palestras, gravar um novo álbum entre tudo o mais que você está fazendo? E quando esses livros vão ser lançados?

KRS-One durante a entrevista. Foto: Temple Of Hip Hop

KRS-One: Não é tão difícil pra mim quanto parece. Como você sabe, eu não vôo, não uso aviões. Eu uso carros, vans, ônibus, trailers e navios para percorrer o mundo e os Estados Unidos. Isso me dá todo o tempo que preciso para estudar, escrever, pensar, gravar e ser marido e pai ao mesmo tempo. A diferença é que não planejo passeios; Eu planejo a vida. O rap é algo que eu faço, mas Hip Hop é algo que eu vivo, e é a vida do Hip Hop que molda a minha vida assim. Se eu me concentrasse em uma coisa, como fazer um tour de Rap, isso poderia interferir na minha vida familiar, ou no tempo que precisava ler e estudar. Mas logo no início da minha existência familiar com meus filhos, minha esposa e eu, preparei minha família para estar em harmonia comigo e com eles. Minha esposa, Wifey, dirige nossos negócios. Meu filho mais novo e filha única lida com os álbuns, os DVDs, as camisetas e os livros, enquanto meu filho mais velho lida com nossa tecnologia e também é meu DJ. E todos nós somos artistas de alguma forma. Com esta configuração, tenho todo o tempo que preciso para fazer o que quiser. Você sabe, é engraçado, quanto mais lento você se move na vida, mais tempo você vive, e quanto mais tempo você tem que viver, melhor você vive! Você poderia pensar que seria o oposto, que você tem que se mover rapidamente para atingir metas ou fazer alguma coisa. Mas a minha experiência de vida me ensinou algo diferente. Parece que a velocidade mais rápida do universo é a quietude. Não se trata de buscar oportunidades, é aprender a ter a paciência suficiente para receber diretamente da própria vida. É isso que estou experimentando agora mesmo!

A capa do livro “The Gospel Of Hip Hop”. Foto: Reprodução/Twitter

Pergunta: Algum dos seus livros usa conceitos como esses?

KRS-One: Alguns deles. O livro “Gospel Of Hip Hop” aborda esses temas. Mas trata-se mais de viver do que ler.

Pergunta: Você pode nos falar um pouco sobre o que os seus próximos livros abordarão?

KRS-One: Bem, sou responsável apenas por seis desses sete livros. Simone escreveu um dos livros intitulado “Identificando Sua Fé”, que é um excelente olhar para os princípios da fé e como aplicá-los corretamente à vida. Entre outras coisas, Simone é uma acronologista, ela faz afirmações poderosas a partir de palavras cotidianas, transformando essas palavras em acrônimos poderosamente afirmativos. Os outros seis títulos são “Real Niggaz – um olhar sobre o racismo institucional através de uma análise intelectual das palavras”; “Uma introdução ao hip hop”, que é um guia do professor para o ensino adequado do Hip Hop; “Filho de Deus”, um estudo sobre os níveis mais profundos do Cristo ou o conceito do Cristo; “Kush”, um breve estudo sobre a antiga civilização de Kush, ou Nubia, e sua relação com afro-americanos historicamente. E tem também um estudo que fiz sobre a rainha Nefertiti e o faraó Akhenaton, que produziu um livro chamado “The Images Of Nefertiti”. E, finalmente, tenho o livro “Black Oustory – um olhar filosófico sobre o ‘Negro’ e ‘História'”.

Pergunta: Eu ouvi você falar sobre a cidade “Hiphoppia” hoje à noite. Para quem não sabe, o que é “Hiphoppia”?

KRS-One: Bem, a verdadeira pergunta deveria ser “onde está “Hiphoppia?” Estamos nela agora mesmo. Sempre que dois ou mais Hiphoppas reais estão juntos, em paz, amor, união e alegria, eles chegaram a “Hiphoppia”. A “Hiphoppia” é tanto um estado mental quanto um lugar real. É o nome da nossa cidade, nossa cidade futura. Mas tal cidade deve ser trazida à manifestação não através de tijolos e tinta, mas através de uma compreensão maior do que significa ser Hip Hop. Este, acredito, é o nosso próximo passo. Não só a América precisa de uma nova cidade, mas nós Hiphoppas precisamos de nosso próprio espaço neste país. Nossos filhos precisam disso. Além disso, a construção e o estabelecimento de uma autêntica cidade do Hip Hop trará emprego, segurança e educação para nosso pessoal – o povo de Hip Hop. Eu acho que isso pode ser feito.

Pergunta: Eu posso ver. Que grande ideia. Onde e quando essa cidade se estabelece?

KRS-One: A verdadeira questão é, pode o Hip Hop – que inclui todas as pessoas – realmente ter uma cidade, uma cidade para as artes que não vai ser invadida e incendiada, ou planejada contra você? É um nível de consciência para o qual temos que nos elevar. Você sabe, nós não queremos uma patrulha policial em nossa cidade ou em nossas estradas e ruas. Mas isso significa que os cidadãos têm que se elevar a um nível mais elevado mentalmente, onde sabemos que não roubamos um ao outro, sabemos que não nos prejudicaremos. Precisamos chegar a este nível de civilização. Então eu acho, você sabe, isso não é apenas o que o “Hiphoppia” é, mas é sobre isto que o conhecimento real é. É tudo sobre amadurecer uma pessoa, não necessariamente conhecendo fatos, datas ou números, ou se você pode citar outro filósofo. É realmente sobre a sua maturidade, e se você pode suportar a verdade quando ela bate na sua cara. Você pode suportar isto? Isto é “Hiphoppia”.

Ouça o último álbum de KRS-One, “The World Is Mind”, lançado em 2017:

Leia também:
[+] KRS-One: o hip hop em carne e osso

*Entrevista originalmente publicada em 14 de abril de 2019.

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.