Tradução: Com ‘Eve’, Rapsody é considerada a melhor letrista do rap

Por Gary Gerard Hamilton, para o Chicago Tribune

O debate sobre quem reina supremo como o maior rapper do momento é interminável e nunca se resolve. De LL Cool J x Kool Moe Dee, Tupac x Biggie, Jay-Z x Nas, é uma discussão consagrada pelo tempo que provavelmente será ouvida em qualquer barbearia ou sala de reuniões onde os fãs de rap convergem.

Hoje em dia, enquanto os nomes lançados tendem a ser Kendrick Lamar e J. Cole, a matriz do rap está tentando resolver uma entrada inesperada: Rapsody. A espirituosa e aguda MC pode não apenas ser a melhor rapper feminina, mas a melhor letrista de todo o gênero – um elogio que poucas mulheres receberam, apesar de o gênero ter décadas.

A rapper Rapsody. Foto: Reprodução/Globalgrind

“Estou honrada. Trabalhei duro para isso”, disse Rapsody, nascida Marlanna Evans, sobre o reconhecimento de seu talento.

“Eu nunca pensei nisso como ‘Oh, eu vou ser a melhor rapper feminina de todos os tempos’. Não, eu quero ser uma dos melhores – se não a melhor – sempre. As pessoas terão suas preferências, mas eu sei que estou nos debates. Em alguns, eu serei a favorita. Em outros, eu posso ser a terceira favorita. Sei que estou entre as cinco primeiras”, ri.

É uma declaração rara da artista aparentemente reservada. ‘Rap’, como os colegas se referem a ela, lançou recentemente o tão aguardado álbum ‘Eve’, uma sequência do disco aclamado pela crítica de 2017 “Laila’s Wisdom”. Esse álbum inovador lhe rendeu duas indicações ao Grammy, incluindo o melhor álbum de rap, que a competiu com Lamar, Jay-Z, Migos e Tyler the Creator.

9th Wonder. Foto: Reprodução/The Source

9th Wonder, fundador da Jamla, gravadora de Rapsody, não se surpreende com o fato de ela estar recebendo o que deve. “O louco da competição é que você está correndo, mas às vezes as pessoas tendem a fazer isso (parece à esquerda e à direita) e olham para a pista de todos em vez de fazer a sua pista… E ampliá-la tanto quanto possível. Você pode. E ela domina essa arte de fazer isso”, disse ele. “E fazendo isso por tanto tempo e de forma consistente, isso acabará superando todo mundo”, completa.

A MC nascida na Carolina do Norte dificilmente é a primeira grande artista feminina. MC Lyte, Lil Kim, Lauryn Hill, Missy Elliott, Nicki Minaj e Queen Latifah, todas enfrentaram a mesma luta – uma luta por respeito neste gênero musical dominado por homens, embora as coisas estejam melhorando: Cardi B se tornou a primeira mulher a ganhar um Grammy de melhor álbum de rap no início deste ano.

O mais recente projeto do Rapsody, que inclui participações de J. Cole, D’Angelo, GZA, entre outros, consiste em 16 faixas, cada uma com o nome de mulheres negras – quase reais, algumas ficcionais – que foram influentes para ela. Por exemplo, há “Michelle” (para a ex-primeira-dama), “Oprah”, “Myrlie” (esposa do líder dos direitos civis morto Medgar Evers),“Cleo” (inspirada em um dos personagens principais do filme “Set It Off”) e “Afeni”, cujo filho era o lendário rapper Tupac Shakur.

“Eu queria mostrar o espectro do que são as mulheres negras e sua beleza. Mas também ao nomeá-las, eu queria continuar os legados de alguns desses nomes”, disse ela. “E apenas para mostrar nossa beleza e brilhantismo, e lembrar as meninas ou apresentá-las ao fato de você ser uma rainha, mas você ainda poder se divertir com isso”, conclui.

Embora nenhuma música deste álbum tenha o nome de Hill, Rapsody a cita como uma de suas influências mais importantes.

“Ela apenas representou na época sua verdade e honestidade na música que cantou. Ela era apenas diferente de tudo que saiu naquele momento, e sua arte brilhou”, disse Rapsody. “Isso me inspirou a querer ser mais, a manter minha cabeça erguida”.

Rapsody não só se destaca por causa de seu lirismo, mas por sua aparência. Ao contrário de suas contemporâneas, ela não gosta do visual glamouroso. Isso levou alguns a usá-la como exemplo para punir mulheres que promovem sua sexualidade no rap. Mas Rapsody, que diz ser uma grande fã de Cardi B, não co-assina essa lógica.

Eu sabia que, para brilhar, não precisava diminuir a luz de ninguém, porque há espaço para todos nós

“Fui criada em uma aldeia de mulheres negras fortes. E minha mãe, minhas tias e minhas irmãs, o que elas me ensinaram desde o início é como ser e fazer parte de uma irmandade”, disse Rapsody. “Eu sabia que, para brilhar, não precisava diminuir a luz de ninguém, porque há espaço para todos nós”.

Embora ela esteja no jogo do Rap há mais de uma década, parte de sua nova visibilidade se deve à parceria da Jamla com a Roc Nation, o grupo de gerenciamento e consultoria fundado por Jay-Z. “Eles são um instrumento cultural, é como uma grande porta de entrada para nós”, disse a 9th Wonder.

Jay-Z. Foto: Reprodução/TMZ

A recente decisão de Jay-Z de fazer parceria com a NFL (Liga Nacional de Futebol) atraiu críticas dos que afirmam que ele virou as costas a Colin Kaepernick, o ex-quarterback da NFL que Jay-Z chamou de ícone. Kaepernick provocou um debate em todo o país depois que ele começou a se ajoelhar à margem como uma forma de protesto contra a injustiça racial e não assinou contrato com uma equipe por dois anos.

Mas Rapsody acha que a parceria pode ser proveitosa porque “precisamos que nosso Colin Kaepernicks faça o que fazem, mas precisamos que nossos Jay-Z’s façam o que fazem também”. Logo após esta entrevista, Rapsody foi nomeada “Inspire Change Advocate” da NFL, junto com Meek Mill e Meghan Trainor.

Como muitos dos letristas de hoje, ela cresceu sob a tutela de Jay-Z, mas não procura conselhos de seu parceiro, dizendo que as letras em seu catálogo fornecem todos os conselhos de que ela precisa. Quando eles conversam, trata-se de esportes, ou “são apenas piadas e risos, e ele envia e-mails e nos diz o quão orgulhoso está do trabalho que estamos fazendo”.

Enquanto ‘Eve’ tem agitado o mundo do hip-hop, Rapsody já está começando a olhar para a base. Ela está interessada no trabalho comunitário, principalmente na alfabetização infantil. Mas ela também planeja produzir documentários e até mesmo atuar.

E, quanto ao debate sobre quem é atualmente o melhor rapper, o que o Rapsody leva? “Quem é o maior mestre ativo no jogo agora? Eu vou dizer que sou eu”, fala suavemente, mas com confiança. E com um leve sorriso, ela acrescentou: “Mas eu respeito meus irmãos”.

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.