Tavn: “Minha missão é passar uma visão de progresso”

tavs

Com estilo despojado e voz inconfundível, Tavn vem conquistando destaque na cena nacional. O rapper do Espírito Santo veio para São Paulo recentemente para finalizar sua mixtape e divulgar seus raps com shows em parceria com a produtora ITWE. Abaixo, um pouco das ideias de Tavn.

Bocada Forte: Como você encara a parada de ter um monte de trampo feito e ainda ser encarado como novidade no rap?
Tavn: Então, tenho mixtapes e trampos que eu já vinha fazendo desde 2011. Tenho meu homestudio e venho gravando todos os dias. Fui lançando algumas coisas, mas ficaram no circuito do Espírito Santo. Grande parte das pessoas passaram a me conhecer depois do videoclipe [“Grower não é traficante”]. Considero meu trabalho antigo como uma escola, uma faculdade que deu acesso ao momento que estou agora. O pessoal está dando mais atenção ao meu rap, graças ao trabalho da ITWE.

Bocada Forte: Você faz parte de uma geração autodidata e que acompanha quase em tempo real o que rola lá fora. Quanto da cena internacional influencia o seu jeito de fazer rap?
Tavn: Escuto algumas coisas daqui, mas a maioria é de fora. Sigo a melodia e os beats, fico admirado com a produção, o audiovisual, a fotografia. Acho que o flow e os beats influenciam bastante meus trabalhos.

Assista ao videoclipe “Interlúdio”

Bocada Forte: Na mixtape que vai lançar, você fala de temas sérios mas também aborda cenas mais tranquilas. Foi algo planejado ou você apenas juntou parte do trabalho que já tinha para integrar sua nova fase?
Tavn: Os sons variam muito. Dependem dos lugares onde estou. Alguns raps foram feitos em Vitória (ES), outros em São Paulo. Alguns sons são mais pesados, outros mais tranquilos, mas não foi nada combinado no estilo “vou fazer uns sons assim, outros assado”.Tem muito de mim nisso, escrevo dependendo do momento, do ambienta em que eu estava.

Bocada Forte: Qual a diferença que uma produtora como a ITWE faz no seu trabalho? Tavn: Acredito que tudo está na forma de trabalhar. O trampo com figurino, audiovisual, os beats, tudo é planejado. A forma como os caras pensam e trabalham é maneira. Desde que comecei a trabalhar com a ITWE tive um diferencial no meu “corre”, ta ligado?

Assista ao videoclipe “Grower não é traficante”

Bocada Forte: Falando de política, você sente que falta um pouco mais de atitude e posicionamento dos artistas da cena atual em relação ao que está acontecendo em nosso país? Não digo que o artista seja obrigado a falar de política em suas letras. Falo do posicionamento em determinadas situações.
Tavn: Acho que sim. Seria bom se a gente visse mais MCs debatendo sobre assuntos sociais, temas que possa trazer uma melhoria pra sociedade. Mas vejo muitos MCs fazendo isso na sua quebrada, presentes num nível de bairro, mais local. O movimento hip hop é um dos poucos movimentos que abordam essa parada, e o rap é um dos poucos estilos de música que têm poder pra isso.

Confira a apresentação de Tavn no Estúdio Show Livre

Bocada Forte: Você é a favor da legalização das drogas?
Tavn: Tenho opinião formada sobre a legalização da maconha, entendeu? Não posso dizer o mesmo dos outros tipos de drogas. Acredito que exista tempo para discutir sobre cada tipo de droga , mas ainda não tenho uma opinião formada sobre a legalização de todo o tipo de droga.

Bocada Forte: Que tipo de rap e de hip hop sua geração está construindo e deixando para o futuro?
Tavn: Pros meus fãs, eu falo muito de trabalho, correr atrás, progresso. É a mensagem que eu procuro estar passando. Em alguns sons, debato outros temas, mas falo do que sinto e o que eu vejo no meu cotidiano. Gosto de passar a liberdade de se falar o que quer, mas mantendo sua postura. Sobre a cena, acredito que virá uma galera que virá falando da realidade da periferia. Também virão o que vão falar de festa. Tem público para todo mundo. Minha missão é passar uma visão de progresso.

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.