Festival 4R | Todos os finais de semana até 17 de abril, confira a programação

Publicado pela 1ª vez em 12.02.21 com o título 'Festival 4R | De 13 de fevereiro a 17 de abril acontece o 'RipRopRiopReto', confira a programação'. Última edição em 20.02.21.

0
76

FESTIVAL 4R REVELA O POSTO DE DESTAQUE DE RIO PRETO NO HIP HOP BRASILEIRO

O Festival 4R RipRopRiopReto, que começa neste sábado, dia 13 de fevereiro, nas redes sociais, reúne talentos rio-pretenses e nomes da cena nacional

São José do Rio Preto tem status de referência na cena nacional do Hip Hop. A cidade é berço de grandes talentos, que se despontam no Brasil e no exterior, e isso nos quatro elementos dessa cultura genuína da periferia: o Breaking, o Graffiti, o Rap e o Dee Jay.

É de São José do Rio Preto a primeira crew feminina do Brasil (a Just Bgirls) e a primeira crew de Breaking brasileira a participar de um campeonato mundial (Super Sonic B.Boys). É da cidade nomes como B.boy Pelezinho, sucesso internacional patrocinado pela Red Bull; DJ Basim, campeão brasileiro e representante do País no DMC 2016; de juny kp!, responsável pelos primeiros movimentos de internacionalização de B.boys brasileiros para o mundo; e de muitos outros artistas de prestígio e projeção de diferentes gerações.

É essa representatividade rio-pretense no Hip Hop brasileiro que chancela o Festival 4R – RipRopRiopReto, que DJ Basim realiza no período de 13 de fevereiro a 17 de abril, com recurso do auxílio emergencial da Lei Aldir Blanc. O evento tem parceria com a Casa de Criar – Escritório de Arte.

Ao mesmo tempo em que reverencia os artistas da cena rio-pretense, oportunizando geração de renda a um segmento duramente prejudicado na pandemia da covid-19, o Festival 4R coloca em debate temas pertinentes ao Hip Hop na contemporaneidade por meio de atividades formativas com convidados pra lá de especiais da cena nacional.

“O Festival 4R quer evidenciar a importância histórica e filosófica dos quatro elementos da Cultura Hip Hop, reafirmando seus valores neste novo milênio a partir do diálogo entre artistas de diferentes gerações”, destaca DJ Basim, que organiza o evento em parceria com juny kp!, que completa:

“Na perspectiva de geração de renda em um momento de fragilidade financeira, concebemos um festival que coloca o artista do Hip Hop como protagonista.”

Além de reunir nomes da cena rio-pretense em encontros inéditos exibidos nas redes sociais, o Festival 4R convocou um galera da cena nacional para fortalecer o debate sobre a Cultura Hip Hop no século 21, entre eles Ney, o cara que comanda a Gringo’s Records, reduto do Rap na Galeria do Rock, em São Paulo; Rubia RPW, pioneira da arte MC; Gil BF, um dos editores do portal Bocada Forte (1999), o primeiro do Brasil dedicado ao Hip Hop; e MC jupi77er, que traz a reflexão sobre a transgeneridade no Rap.

As atividades do Festival 4R serão exibidas nos seguintes canais:

Youtube Casa de Criar
Instagram Oficial
Twitch Oficial

Festival 4R – RipRopRiopReto – Programação completa

13 de fevereiro – sábado

18h – DJ Live, com Matheuzin
22h – RAPataque

Live com cantores, cantoras e coletivos de Rap de Rio Preto, apresentando sua obra autoral: Criminalsense, Ana Paula – A Liga, Família UniVersos, Bella, Bigorna, Liberati, Brunão Black, Guizin, Guenno, Romero, MC Gra, Maestro do Caos, CDN Crew, Vini, Kako, Vinão, Livremente e Pedro Improvisador

14 de fevereiro – domingo

13h – Sopa de Letras

Encontro distanciado de artistas do Graffiti para a realização de um novo painel no Júpiter Olímpico, em São José do Rio Preto: Jaq, Mei, Leitaone, Edson Ramos, Will insano, Husk, Leite, Cido, Podre, Sexos, Stan e Burni

19 de fevereiro – sexta-feira

20h – Bate-papo ‘Da rua para o papel e do papel para a rua: o desenho como gerador de renda’. Transmissão pelo Youtube da Casa de Criar | Twitch e Instagram do 4R Festival (@ripropriopreto)

Com trajetórias distintas no Graffiti e na ilustração, os artistas Lino 96 e Stan Bellini, de São José do Rio Preto, discutem as intermitências desses ofícios.

20 de fevereiro – sábado

18h – DJ Live, com Taroba
20h – Bate-papo ‘O jovem negro nas universidades’

Cotas raciais são importantes? A partir de sua própria experiência no ambiente universitário, o jovem Lucas Horas dá seu testemunho, apresentando um relato sobre a o que é ser negro em uma universidade brasileira.

21 de fevereiro – domingo

20h – DJ Live, com Bocka
22h – Bate papo ‘A impermanência do vinil: décadas de um ícone musical’

Live com o paulistano Ney, que comanda a Gringo’s Records, na Galeria do Rock, em São Paulo. Nesse bate-papo, ele compartilha sua experiência de décadas como vendedor de discos e de colecionador de histórias curiosas dos bastidores de vinis históricos e de fatos que marcam o rap brasileiro.

26 de fevereiro – sexta-feira

16h- Skate Júpiter Sessions

Uma tarde de skate na tradicional pista do ginásio Júpiter Olímpico, em São José do Rio Preto. O videomaker e skatista Lauro Casachi fará a captação de imagens e o patriarca old school e designer de jóias Sabones comenta as manobras e troca ideias com os skatistas José Martins, Flávio Lopes e Rogério Troy

27 de fevereiro – sábado

18h – DJ Live, com Basim
20h – Bate-papo ‘Desvios criativos em videoclipes de música rap: recorte nos mercados norte-americano e brasileiro’.

O artista juny kp! reflete sobre o videoclipe enquanto espaço de experimentação criativa e de divulgação, tendo como fio condutor o rap.

28 de fevereiro – domingo

20h – DJ Live, com Dennon
22h – Bate-papo ‘Cultura Hip Hop como ferramenta educacional’

Pioneira na arte MC, socióloga e educadora, Rubia RPW apresenta suas experiências, percepções históricas e resultados empíricos de sua trajetória dentro e fora dos palcos e dos ambientes educacionais

5 de março – sexta-feira

20h – Bate-papo e vivência artística ‘Minha Dança, Minha Palavra’, com B.boy Buxexa

6 de março – sábado

18h – DJ Live, com Shinpa
20h – Bate-papo ‘Cultura hip hop e século XXI: memória audiovisual, registro virtual’

Bate-pao com Gil BF, um dos editores do portal Bocada Forte, primeira página da internet brasileira dedicada a divulgar as manifestações da Cultura Hip Hop no país, que surgiu no ano de 1999. Hoje, o Bocada Forte não é apenas o pioneiro, mas a principal referência para quem quer se manter antenado com o Hip Hop brasileiro.

7 de março – domingo

20h – DJ Live, com Krausz
22h – Bate-papo ‘Luta, conquistas e estratégias para a produção LGBTQIA+ dentro da música rap brasileira’

Homem trans, MC jupi77er é pura resistência no Rap, tendo conquistado espaços em slams, recitais, eventos e nas redes sociais com um discurso que denuncia a violência contra a comunidade LGBTQIA+

12 de março – sexta-feira

20h – Bate-papo e vivência artística ‘Minha Dança, Minha Palavra’, com Caio GW

13 de março – sábado

18h – DJ Live, com Edu Rio

14 de março – domingo

20h – DJ Live, com Lidi

19 de março – sexta-feira

20h – Bate-papo e vivência artística ‘Minha Dança, Minha Palavra’, com Lucas Leal

16 de abril – sexta-feira

20h – intervenSOM, com juny kp! e DJ Basim

17 de abril – sábado

20h – Lançamento do VINIL4R, com juny kp! e DJ Basim

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.