ACERVO BF | Entrevista com Plano B e Brigada Sonora de Rua (De Costa a Costa)

Entrevista publicada pela 1ª Vez em 13.09.2004, última edição em 02.12.2021

0
203

Da união de dois grupos cearenses surgiu o De Costa a Costa. Os grupos são Plano B e Brigada Sonora de Rua, que lançaram o álbum pelo selo Du Nego Records. São 7 faixas produzidas por Don Loco, que faz parte do Plano B. O B.S.R participou da coletânea ‘Favela por conta própria’ do Movimento Cultura de Rua do Ceará (M.C.R) com as faixas: “Testemunho”, “Sistema e rua” e “Rap Ativista”. Leia entrevista com os grupos.

Bocada Forte: Explique melhor esse projeto.
Plano B e B.S.R:
O Projeto surgiu em 2001. Nós já tínhamos feito umas letras juntos, um participava do som do outro e tal, porque a realidade era parecida, favela perto da praia, tá ligado? Dinheiro perto da favela e nós querendo pegar nossa parte. Aí surgiu a ideia de fazer um disco junto, então nasceu o De Costa a Costa.

B.F: Qual as formações dos grupos e de onde são?
Plano B e B.S.R:
Plano B é Junior D e Don Loco, do Castelo e Conj. São Pedro, na Costa Leste. Brigada Sonora de Rua é Nego Gallo, Preto B, Preta Manu e Leo Cabral, do Morro do Moinho, Santo Inácio e Bairro Élery, Costa Oeste. Nos toca discos DJ Flip Jay (Zulu Nation Brasil) do Conjunto Ceará, Zona Norte de Fortaleza.

www.youtube.com/bocadaforteB.F: De quem foi a produção e como está a divulgação e distribuição?
Plano B e B.S.R:
O disco foi produzido por Don Loco, e co-produzido por Nego Gallo e Junior D. Depois que o disco estava pronto, nós tínhamos que fazer por nós mesmos, tá ligado? Num tinha ninguém apadrinhando, ninguém estava nem ai pra nós, foi aí que surgiu a ideia de montar a firma DuNego Record$. Chamamos os loco e as loca pro jogo, pra fazer os corre, aí firmamos as conexões. Começamos assim: Fortaleza Leste e Oeste com nós, Zona Sul com a rapa do Elementos Suspeitos e Sertão Rap e o nosso parceiro Fuzzy, e na Zona Norte com Flip Jay, que veio a ser o DJ do grupo, dando uma contribuição du caralho, com a ideia da Zulu Nation.

Em nível de Fortaleza, isso deu pra fazer a nossa cara. Venda de CD de mão em mão, organização de vários bailes nas comunidades e a construção do respeito. Mas faltavam as conexões nacional, que foi facilitada porque um parceiro nosso que é do Brigada, tava em Brasília trampando com o GOG, o Leo Cabral. Aí firmamos com ele, com uma amiga no rio, a Marjorie, com o Galo de Souza do Êxito de Rua em Recife, e o DJ Paulo em Sampa, que na realidade foi um dos responsáveis por esse projeto ter sido possível, porque nos ensinou a produzir quando veio fazer a coletânea em 2000, na qual nós fizemos 4 faixas. Com essa rede montada, sempre baseado na sinceridade, lealdade e honestidade, sem 171, todo mundo atrás de se adiantar junto, o resultado tem sido muito bom.

www.twitch.tv/bocadaforteB.F: Têm feito shows por aí ou em outros estados?
Plano B e B.S.R:
 Com 4 Meses que o disco saiu, a gente tem show agendado no Maranhão e Brasília nesse mês. Estamos acertando com o Gil BV no Piauí e com o Galo em Recife. Em Novembro, nós estaremos no Hutus, quero ver a rapaziada votando no melhor. Em Fortaleza é que tá quente. Todo fim de semana nós estamos fazendo em média 2 shows, em várias áreas, e a rapaziada tá considerando, as gatas estão colando, outro dia depois de um show juntou uns 8 pivete de uns 12 anos, cada um tirou umas moeda do bolso e interaram a grana pra comprar o nosso CD, os moleque cantando nossas letras, isso é uma satisfação do caralho.

B.F: Vocês não fazem mais parte do M.C.R?
Plano B e B.S.R:
 Não.

B.F: O que acham dessa mistura entre Hip-Hop e política, que ao invés de somar tem causado tantas divisões?
Don Loco:
O Hip-Hop tem sido muito utilizado como instrumento político, cada um interpreta da maneira que acha melhor pra conseguir impor a sua ideia. Eu já vi ONGs venderem o Hip-Hop “político” pra ganhar grana. Eu já vi cara pegar a minha letra e dizer que não era aquilo que eu quis dizer, só que eu quis dizer aquilo mesmo. O Rap num vai salvar o mundo, porque Jesus não conseguiu, então quem sou eu pra conseguir isso de vocês?

O problema não é o sistema, são as pessoas, porque são elas que fazem o sistema. Como você quer mudar o mundo se você não muda seu mundo? Você continua mentindo, traindo seus parceiros e até sua família. Vários líderes nem acreditam mais no que eles mesmos falam. Só querem poder. Eu já vi uns e outros na balada, consumindo pó, prostituta, bebida e desdizendo tudo que falou de dia. Eu já vendi drogas e consegui prostitutas pra alguns deles. Eu confio muito pouco nas pessoas, porque já vi muita pilantragem, no crime, na política, na vizinhança…

Conheci pessoalmente líderes políticos, traficantes, prostitutas, comerciantes, religiosos, ricos e pobres, etc. e não vi muita diferença. Então o que eu quero é que entre nós, da DuNego, o bagulho fique mais limpeza, foda-se o mundo. Foda-se o porque eles deram as costas quando eu precisava gravar meu disco e precisei deles, simplesmente porque eu num estou sob o controle deles. E eles num iam tá nem aí se eu tivesse preso ou morto agora. Se o meu Rap ajudar a mudar alguém, eu já mudei o mundo.

Nego Gallo: Eu num sou moleque. Se eu quiser ganhar dinheiro, eu não preciso usar a miséria do meu próximo. Se eu quiser fazer nome, eu num preciso vender ilusão pra ninguém. Todo jogo tem que ser bom pros dois lados. Na DuNego ninguém joga de graça.

SE VOCÊ QUER OUVIR MÚSICAS DESSA ÉPOCA, COM DETALHES E INFORMAÇÕES, ACOMPANHE NOSSAS TRANSMISSÕES AO VIVO NA TWITCH, CLIQUE AQUI E SIGA NOSSO CANAL!

[+] LEIA TAMBÉM ENTREVISTA FEITA EM 2007

www.centralhh.com.br
PUBLICIDADE

 

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.