A movimentação sonora de Preta Rara

10928728_4978999128243_132052840_nMudança de plano, começo a gravar aqui em Santos (SP), pois ganhei um edital e farei com uma banda legal“. Assim começa minha conversa com PRETA RARA, rapper, professora, historiadora e turbanista. Durante um tempo, a artista viajou de Santos para São Paulo para gravar seus sons, mas agora, com o lance do edital para financiar sua empreitada, Preta Rara prepara um disco com dez músicas, trabalho que mescla sons acústicos.

A idéia é que o rap esteja presente na minha voz e, nas instrumentais, estamos viajando no funk soul, cumbia, carimbó e samba. Na gravação terá flauta doce, saxofone e talvez violino“, afirma a cantora.

Racismo, empoderamento feminino, rolê, relacionamento amoroso são temas que serão rimados no CD de Preta Rara. “A  letra que eu estou trabalhando no momento, e que me rendeu uma grande pesquisa, pois sou historiadora, é a ‘Mulher preta tem história’“, conta.  A cantora afirma que – até o momento –  relata em poesia e rima a história de 23 mulheres negras, algumas conhecidas e outras não.

Essa música estará na mesma pegada da letra de ‘Falsa Abolição’,  que eu escrevi e que tem clipe do meu antigo grupo Tarja-Preta.  Ela virá com um forte conteúdo histórico. Curto muito fazer som assim“, conclui a rapper e historiadora.

Preta Rara começou a gravar seu primeiro videoclipe solo, que tem o mesmo nome do CD #Audácia. Quem assina a direção é  Dino Menezes, o mesmo que dirigiu o clipe do “Tarja-Preta – Falsa Abolição“.

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.