Feminine Hi-Fi, o poder das mulheres Sound System

POR HALITANE ROCHA

Era para ser só uma festa, mas se tornou o primeiro mini festival Sound System do Brasil, formado apenas por mulheres. Fevereiro de 2016, Dani Pimenta convidou suas amigas DJs Rude Sistah e Lovesteady e a cantora Layla Arruda para tocarem juntas em uma edição especial ao Dia das Mulheres, em março. Conversa vai e conversa vem, ao invés de fazer uma festa pequena, elas decidiram fazer um baile de rua, para chamar mais atenção. O que as mulheres não contavam, era com o tamanho da repercussão que isso tomaria. Por esta razão, decidiram manter o projeto permanente, com realização a cada três meses em locais abertos e diferentes. Agora, elas estão recebendo até convites para tocar em outros estados e não param de crescer.

Dani Pimenta, 34 anos, uma das idealizadoras do projeto, DJ e produtora executiva, fala sobre como é ser mulher neste cenário do reggae: “Encontrei muita porta aberta, mas também muita porta fechada, então tem de tudo; mas em geral, hoje acho que está melhorando justamente porque estamos causando esse enfrentamento, sabe? Acho que tem a ver com o que está acontecendo no mundo todo em relação a mulher, a mulher não se cala mais, não deixa mais as coisas acontecerem e só diz sim por medo ou por constrangimento e tal. Então eu acho que ser mulher no reggae é difícil pra caralho, porque sobretudo de onde o reggae vem né, a Jamaica é uma sociedade muito machista, então por si só já é uma cultura que vem com isso embutido, mas eu acho que está melhorando e a tendência é que melhore, a gente vai trabalhar para que melhore!”

No ultimo dia 18 de março (sábado) essas mulheres comemoraram um ano de Feminine Hi-Fi na zona norte de São Paulo. Confira o evento no Facebook.

*Halitane Rocha tem
21 anos, é sagitariana,
formada em Jornalismo
e apaixonada pela
cultura periférica.

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.