Uma Só Voz: Inquérito rompe fronteiras com clipe em Cuba

bastidores3
Ao lado dos cubanos do La Invaxión, material gravado em Havana mostra intercâmbio musical

Por Jéssica Balbino, Especial de Havana, Cuba

“Uma Só Voz”. Este é o título da canção gravada pelo Inquérito em parceria com o grupo de rap cubano La Invaxión. O trecho do refrão resume do que o hip-hop é capaz: encurtar distâncias geográficas, quebrar barreiras de linguagem, romper com embargos políticos e socioeconômicos, possibilitar o encontro e arte.

Durante o mês de abril, passamos sete dias em Havana. Entre as muitas atividades e curiosidades, uma das plataformas onde escrevemos a nossa própria história e eternizamos nossas lembranças é este videoclipe, que teve a direção de Mandefro Rosa Pagán – um psicólogo filho de pai médico e etíope e de mãe cubana, que deixou a profissão do diploma para se dedicar ao que ama: o audiovisual – e foi produzido a muitas mãos, mentes e corações.

Com versos que falam sobre poesia, música, política e oportunidades, os rappers cubanos do La Invaxión, Yusniel Alonso Cepero, conhecido como Cepero e Reinier Morejo Hernandes, conhecido como Black Soul, somam-se a Renan Inquérito em um intercâmbio de ideias de vivências, que, novamente, somente o hip-hop pode proporcionar.

A construção da canção teve início em janeiro deste ano, quando em viagem ao Uruguai para o lançamento do disco “Corpo e Alma” e a realização de uma Parada Poética, Inquérito conheceu um dos integrantes do grupo, o gastrônomo Yoyo Lopez, também chamado de Mala Bizta. Deste contato firmaram-se as ideias de uma parceria que chegou antes do previsto.

Apenas três meses depois, Renan Inquérito desembarcava em Havana em um sábado de abril. Na capital da ilha – que tem o tamanho da cidade de São Paulo – a primeira coisa foi tentar contatar Cepero, de quem tinha o telefone e com quem o único contato havia sido feito por e-mail – lembrando a precariedade da internet cubana.

A música teve a produção de Dj Duh, da Groove Art´s, que é quem também assina a produção do disco mais recente do grupo, o Corpo e Alma, mas foi gravada em um estúdio em Havana. A mixagem ficou por conta de Maurício Cersósimo, no entanto, toda a composição foi feita em conjunto, entre os três rappers.

bastidores9

Já a produção do clipe ficou por conta de Mandefro, Roberto Álvarez, Cepero e das brasileiras Priscila Prado e Jéssica Balbino (esta que voz escreve). A edição, montagem e finalização do material audiovisual foi feita por Vras77.

Nem fronteiras, nem barreiras “Gravar em Cuba foi mágico, a arquitetura, os carros, o povo, o clima do Caribe, achei que o idioma seria uma barreira, mas no fim o rap falou mais alto do que tudo”, anunciou Renan Inquérito ao descrever os dias de trabalho no Caribe.

O primeiro encontro, marcado para dois dias depois, na segunda-feira na parte da tarde, ocorreu com a viagem dos rappers a Havana. Ambos vivem no distrito de Candelária, na província de Piñar Del Rio, há 100 km da capital, trecho que precisa ser percorrido em dois veículos com carroceria e cobertos com lonas na parte traseira, o que no Brasil chama-se de ‘pau de arara’, especialmente no nordeste.

Neste cenário – para além dos carros antigos, dos prédios históricos e da sensação de pertencer à década de 1960 – o que não falta é inspiração para a composição. Por isso, o primeiro encontro, que se deu com Cepero no hotel em que estávamos e se encaminhou para a casa do diretor do vídeo, Mandefro, teve sequência com Black Soul compondo a parte em que cantaria e com todos nós rumo ao estúdio de Liban, um produtor local.

bastidores2

Primeira classe não define melhor passageiro O verso cantado por Cepero, em espanhol, mas muito claro pra quem fala português, exemplifica que nem mesmo o tamanho diminuto do estúdio, o calor de mais de 30 graus e o fato de terem se encontrado poucas horas antes é o suficiente para limitar alguém, tampouco o talento de rappers que driblam a escassez com a criatividade.

“A escassez gera a criatividade, nisso os países latino americanos são muito parecidos, o Brasil tem muito mais recursos materiais do que Cuba, mas o povo cubano tem uma energia, uma sede de viver extraordinária, o calor humano deles foi combustível pra mim. Sem contar que a caneta dos caras é pesada, eles escrevem muito bem, poesia pura, coisa que tá ficando rara no rap brasileiro…Adoro uma parte do som em que ele diz: “primeira classe não define melhor passageiro”, ou então: “nenhuma empresa me converterá em sua presa se tenho a essência”, destaca Renan Inquérito.

Em poucas horas, a canção está pronta. E, no caminho de volta – numa capital onde o transporte público praticamente inexiste – encontrar um local para comer é pretexto para mais tempo juntos, tentando entender o idioma, fortalecendo os laços e contando histórias sobre ambos países.

bastidores5

Uma câmera na mão e um intercâmbio musical Mais do que gravar o clipe, a maneira cubana de produzir as locações e lidar com os fatores externos pode ser uma escola para os brasileiros, presos em seus quadrados de horários, marcações ou regras.

O intercâmbio musical entre o Inquérito e o La Invaxión mostrou que, na prática, o que precisa-se ter é uma câmera na mão e o coração pulsando no peito. Logo na primeira manhã de gravação em Havana Velha, dezenas de estudantes recém saídos da escola emocionaram-se com a canção nos alto-falantes e pararam para cantar e dançar junto com o grupo.

A espontaneidade da ação marcou não apenas o videoclipe, mas quem viu a cena. A carência cultural dos jovens encontrou a sintonia necessária no rap que estralava os falantes no meio da rua em um dia de semana.

bastidores1

Soy Callejero e o ‘arroz’ socializado com carinho Que o rap é rua todo mundo já sabe, mas, conhecer as ‘calles’ de Cuba e se tornar ‘callejero’ é para poucos. E a única forma de fazer isso sem o filtro turístico que cerca os visitantes do país é estar com os cubanos. E com cubanos que conhecem o local em que vivem. Onde a divisão de histórias e vivências dá-se pela operação matemática da soma. Difícil traduzir em palavras o que só a experiência “de las calles” dá.

“Mais do que um regime socialista o que eu encontrei foram corações comunistas, que independente do partido, independente do regime, são humanos acima de tudo, e quando não se tem muitos bens materiais, quando o tudo que se tem é nada, restam os sentimentos, as pessoas, ou seja, aquilo que há de mais valioso e esquecemos todos os dias, por isso meu coração não está a venda, nem pra alugar, mas há-lugar”, define Renan Inquérito.

bastidores6

“A maioria aqui nem sabe o que é comunismo, mas sempre socializa o arroz com o vizinho, reparte a miséria com carinho, divide mesmo quando é pouquinho”, completa com o trecho da canção Cidade sem Cor, do álbum “Corpo e Alma”.

E essa frase é finalizada com a fala de Cepero, também no final da canção. “Tamo juntos, é nóis”, como aprendeu a dizer em português e incorporou ao vocabulário.

Pela América Latina A experiência de gravar em Cuba despertou no Inquérito o desejo de conhecer e gravar com outros artistas da América Latina. No próximo mês, além de um show em um festival em Buenos Aires, na Argentina. De passagem pelo país, a ideia é também gravar com músicos argentinos.

Vale destacar também que no início deste ano o Inquérito já esteve no Uruguai, onde lançou o disco “Corpo e Alma” – lançado em comemoração aos 15 anos do Inquérito e premiado como o melhor de 2014 – e fez uma Parada Poética – atividade literária que envolve a poesia em seus mais diferentes suportes.

Serviço – Mais informações sobre o Inquérito podem ser acessadas pelo site do grupo.

barra_separadora

Publicidade

BoomBAp

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.