Acervo BF | Saiba mais sobre o primeiro vinil brasileiro de beatmakers: ‘SPNT Instrumentals Vol. 1’

Essa entrevista foi publicada no site em 23 de dezembro de 2004, ela faz parte do Acervo BF, última edição em 07 de abril de 2023

1
129

O Bocada Forte tem um vasto acervo fisico e digital do Hip Hop brasileiro. Precisamos de ajuda para tornar acessível o que já está digitalizado, fazer a manutenção e ainda digitalizar mais material.

APOIE O BOCADA FORTE

Essa entrevista foi feita em 2004. Talvez eles nem soubessem que esse seria o primeiro vinil nesse formato. O álbum é uma coletânea com produções autorais de diversos beatmakers, jovens que vinham descobrindo novas formas de fazer Rap utilizando softwares como: Cake Walk, Fruit Loops e similares. Antes disso, muitos discos instrumentais foram lançados no Brasil, mas com outras características e objetivos. Muitos DJs e produtores, alguns já consagrados no Rap, lançaram seus discos só com bases instrumentais, ou com efeitos e frases para serem usados por DJs e grupos de Rap.


Capa digitalizada do Acervo BF

Vinil SPNT Instrumentals  – Entrevista com DJ Coleste

Em uma iniciativa corajosa, o selo Spanto Records lança o vinil ‘SPNT Instrumentals Vol. 1’. A iniciativa conta com 48r40, Coleste, MJPOmig One e Geléia, esses dois últimos são do grupo Primeira Audição.

Em um mercado carente de vinis, a atitude do Spanto Records é uma grande ajuda e incentivo para grupos, DJs e produtores fazerem o mesmo. O disco tem 10 instrumentais, os autores e os títulos são:

Lado A:
Indecenti – “Liberdade vigiada”, Coleste – “Mente em guerra”, MJP – “Coisas do destino”, Semgrana – “Unindo as diferenças”, Omig One – “Jazzvibe”
Lado B: Coleste – “Momento de transição”, 48R40 – “Encontro”, MJP & Coleste – “Acreditando mesmo”, Geléia – “C qué lá”, Omig One – “Sujeira extrema”.

Leia mais detalhes sobre o disco, o selo e os projetos na entrevista com Coleste.

Bocada-Forte: Pra começar, fale sobre esse selo de vocês, como e quando surgiu, porque decidiram criá-lo, quem faz parte e tudo mais…
Colé:
A idéia de lançar algo já existe faz um tempo, eu sempre apreciei música. Entre 99 e 2000, comecei a fazer alguns experimentos, com um sampler da gemini e discos de batidas, gravava em tapes (k7) num esquema bem caseiro. Alguns anos depois comecei a utilizar um PC. As coisas começaram a evoluir, pois além dos ajustes e edição nos softwares de produção musical, ocorreu a troca de informações que facilitaram o uso das ferramentas. Nesse meio tempo, fui conhecendo pessoas que também criavam seus próprios sons, de maneira original, por prazer e satisfação própria. Apresentei a proposta no início de 2004 e, atualmente, o selo Spanto tem como integrantes: 48r40, Coleste, Omig One e Geléia que também são MCs e o MJP (Indecenti – Semgrana), que além de sua contribuição sonora, é o responsável por toda identidade visual desse projeto.

B.F: O vinil é o primeiro projeto de vocês, porque a idéia de começar com um vinil?
Colé:
 A idéia é poder mixar as bases, a maneira mais adequada para um DJ fazer isso seria lançando nesse formato. Tem também o detalhe da capa, o cheiro, o manuseio e a durabilidade, que influenciam para quem não é DJ, mas que gosta do bom e “velho” vinil como eu.

Contra-capa digitalizada do Acervo BF

B.F: Como está a repercussão do disco, valeu a pena?
Colé:
Está repercutindo positivamente em todos os sentidos e valeu a pena por tratar-se de uma realização pessoal. Está exigindo muito esforço por ser uma produção totalmente independente. Na real, tenho um emprego em paralelo para poder investir no projeto, todos os caras do selo também trampam, todos com os pés no chão sabem que dificilmente aqui no Brasil alguém consegue “sobreviver” de música. Na minha opinião, a maior recompensa está sendo as novas amizades que venho conquistando, amigos de verdade e pessoas que reconhecem o seu trabalho.

B.F: Como você definiria esse disco?
Colé:
 Uma coletânea instrumental com as diferentes características dos integrantes do selo. Você encontra alguns beats bem sujos, outros mais quebrados, outros mais na boa. É legal que a maioria deles tem uma “história”, tipo um começo meio e fim, tenho essa impressão, pois a maioria das bases viram, se transformando praticamente em outra música, mas mantendo o BPM.

B.F: Esse é o volume 1, quando vem o próximo e quais os outros projetos da Spanto?
Colé:
Estamos fazendo parcerias com alguns MCs, o MJP tem alguma coisa pronta que está trabalhando em cima, ele também está colaborando com a arte da capa da mixtape do nosso amigo Munhoz, que deve sair em breve e que terá o suporte total do selo, além de algumas produções suas (Munhoz) que entrarão no site. O Primeira Audição, grupo do Omig e Geléia, lançará em breve o álbum deles e os próprios artistas do selo também estão trabalhando duro para que 2005 seja um ano recheado de novidades, fiquem atentos ao site.

B.F: Quem quiser o disco, como pode conseguir?
Colé:
 Através do site do selo (www.spntrec.com), em algumas lojas na 24 de maio (Flórida, Cash Beat e Trucks) e na Most (www.urbanmost.com).

B.F: Espaço aberto para agradecimentos e contatos.
Colé:
Agradeço a você, Gil, e a todos os parceiros do B.F! Ao Iury (meia dois A), MJP por toda arte suja que nos faz brisar. Um forte abraço a todos que acompanham o site do Bocada, muita paz e saúde em 2005!

Contatos: spanto@spntrec.com / mjp_design@spntrec.com / www.spntrec.com

APOIE O BOCADA FORTE

Ouça ou baixe o disco

1 comentário

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.