1989: “B-boy sendo preso porque tava dançando e MC que foi morto no vagão do Metrô”

0
1273

Lançada no ano passado, a música “Hip-Hop Puro” (uma homenagem ao B-Boy Banks), do veterano Thaide, traça um panorama de como era a vida de quem estava no movimento, já na década 1980. Fazendo um paralelo com os dias atuais, o rapper fala da perda da essência e a desvalorização da história do Hip-Hop.

No início da cultura de rua em São Paulo, a incompreensão, o racismo e o preconceito com um novo modo de vida que estava crescendo no centro e nas periferias foram o estopim para detonar a perseguição aos jovens do Hip-Hop. Um trecho de “Hip-Hop Puro” chama a atenção pela violência que retrata: “B.boy sendo preso porque tava dançando e MC que foi morto no vagão do Metrô”

Em 1989, no dia 23 de novembro, Marcelo Domingos de Jesus ou MC Rap B, do grupo Rap Magic, foi assassinado com um tiro na testa na linha vermelha do metrô de SP. O disparo foi feito por um policial. Como já foi dito, a cultura Hip-Hop estava em formação, o Rap não tinha a visibilidade que tem hoje, mas já era visto como algo que incomodava, como uma ameaça.

Na época, segundo a reportagem da Folha de S.Paulo, o rapper carregava uma pasta que continha algumas letras de músicas, uma delas registrava: “bandidos, assassinos e pessoas de bem, mas quando chega a polícia não sobra ninguém. Depois os homens matam e dizem que foi bala perdida.”

O grupo Doctors MCs, na música “Desabafo”, também protestou contra a violência policial: “Nada ele fez para o guarda lhe matar. Só estava a cantar em um vagão do Metrô, que se transformou em um vagão do horror.”

O comandante do Policiamento Metropolitano era Ubiratan Guimarães, conhecido pela invasão e massacre do Carandiru em 1992, fato registrado no Rap “Diário de um detento”, dos Racionais.

Histórias como essas não podem ser esquecidas. Vidas, mortes, lutas de homens e mulheres pelo direito de reunião, diversão, emancipação negra e periférica estão na origem do Rap e do Hip-Hop.

Ouça o Podcast ‘Vitrola Véia’ sobre Rap e Violência Policial

www.centralhh.com.br

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.