O Rei Da Noite Branca – Capitulo III – Racista Cheira Meu Saco

Os negócios iam muito bem, a firma tava forte. Muca e Taxo dominavam o bairro. A turma do Ciro vendia duzentas gramas de cocaína por noite. O negócio gerava mais empregos que o governo federal. Ao mesmo tempo, novos dependentes surgiam a cada teco, o que se tornaria uma epidemia que não teria volta. Os nego veio chamaram de “O boom do pó”. Na mídia ninguém falava nada. A cocaína era droga de gente branca e rica. Até o Presidente cheirava e muito.

“Cocaína é só um meio de fuga da pressão que a sociedade exerce nos jovens de classe média alta.” O discurso era esse. Todos usuários do bairro eram bem nascidos, ricos, estudados, mas faltava experiência de vida pra maioria da gurizada.

Pra muitos, aquela era a primeira vez que estavam saboreando a tão esperada liberdade pós-ditadura. Ninguém tinha ideia do que significava liberdade e muito menos os seus limites. No mundo das drogas ainda existia uma sombra dos anos oitenta, “os tomadores de pico” e tudo se misturava naquele pedaço de paraíso chamado Bom Fim.

Naquela época todos queriam gritar pro mundo ouvir e na maioria das vezes pra serem ouvidos precisam falar muito alto. A cocaína ajudava e muito. Nas rodas da Avenida Osvaldo Aranha alguns defendiam que o pó era pra socializar, mas o que ninguém percebia eram os estragos sociais. Tinham noites que o movimento era tanto que o pó acabava e pelas ruas só ficavam os zumbis, homens e mulheres desesperados por um tequinho. Bares como Garagem Hermética, Megazine, Elo Perdido, Ocidente e Bananas eram frequentados pelas mesmas pessoas.

Subida do morro da Vila Jardim, em Porto Alegre. Foto: Reprodução/Google

Titãs já havia cantado “diversão e arte para qualquer parte”. A cada final de semana a falsa legalidade da droga atraia mais e mais jovens, só que agora o pessoal do subúrbio também começava a frequentar o bairro e junto com os novos frequentadores, novos traficantes. A Vila Jardim era a boca mais forte na época, e de lá surgiu o trio que viria enfraquecer o reinado do Muca.

Reco, Bolão e Azeitona eram três amigos que só queriam fazer festa. Ninguém tinha intenção de ficar rico. Eles perceberam que nem todo mundo tinha grana e que todo mundo deveria se divertir. Essa empatia entre fornecedor e cliente enfraqueceu o Muca, que começou a notar que os guris já não estavam vendendo como antes e que alguns estavam cheirando mais que vendendo. Começaram a ficar devendo e alguém teria que pagar a conta. Muca e o Taxo sabiam de quem cobrar.

Os caras cheiravam e falavam tudo que vinha a cabeça, por isso cocaína era conhecida como a droga da verdade

No meio da década de noventa era uma raridade quem não cheirava. A gurizada adorava ficar trincada. Com a periferia chegando junto nas festas, se criou um circuito do baixo clero no bairro Bom Fim. Começava na Lancheira do Parque, passava pelo Bar do João, Lola e terminavam no Bambus. Essa galera ficava na rua, andando de um lado para o outro. Os caras cheiravam e falavam tudo que vinha a cabeça, por isso cocaína era conhecida como a droga da verdade.

A famosa Lancheria do Parque, na Avenida Osvaldo Aranha. Foto: Reprodução/Google

Diferente dos caras a mulherada ficava com o conta giro alto. Ficavam mais sexy, mais excitadas e trepavam muito. Já os caras… A maioria broxava e ainda tinha os que ficavam agressivos. Uns acreditavam que eram imortais, outros entravam numa nóia. Prostituição em troca de bucha não era exclusividade de algumas mulheres. Muitos caras davam um teco e sentiam comichão no cu. Alguns não se seguravam e usavam “a droga da verdade” como desculpa para liberar seus desejos. Os caras na fissura trocavam relógios, casacos, camisetas, tênis ou o que tivessem em casa. Era bem comum a gurizada querendo trocar alguma coisa por pó, mas as ordens eram bem claras: “o papo é grana”. Às vezes surgia um bom negócio, mas só o Cabeça fazia trocas. As vezes se dava bem, outras marchava com a parte dele.

– Aí Cabeça, tenho esse CD do Guns, é importado. Me consegue uma bucha?
– Não curto isso aí, mas gostei do teu relógio! Te dou uma bucha nele.
– Bah, Cabeça!!! Ganhei ele do meu pai. Vale umas dez buchas. Ganhei numa viagem que a minha família fez para a Europa, comemoração dos vinte anos de casamento dos meus pais. Foi toda a família, mas foi minha vó que escolheu ele pra mim. Tem um valor sentimental inexplicável.
– Tô ligado, te dou duas.
– Tá bom.

Ciro não se iludia com objetos, mas tremia as pernas quando via um rabo de saia. Essa era sua fraqueza: mulheres. Mas já dizia o ditado, “onde se ganha o pão não se come a carne”. E foi nessas aí que o Ciro quebrou a cara, a lição custou caro.

Foto ilustrativa. Reprodução/Google

A grande maioria das minas que frequentavam a área eram moradoras do bairro. Geralmente tinham uma queda pelo Ciro. Sarará com cara de bandido, forte e inteligente, mas não o suficiente pra não se envolver. Numa noite qualquer, Ciro conheceu a Mary. Era linda. Loira, dezoito anos, filha do Desembarcador Macedo. O cara era linha dura, defensor da moral, da família e dos bons costumes. Frequentava a mais alta roda da sociedade portoalegrense. Uma noite, depois de uma farra forte, Mary levou Ciro pra casa. Durante a festinha ela dizia ao Ciro coisas lindas como: “meu pai vai te amar”, “minha família não é preconceituosa”. Ele, bêbado, chegou a pensar que poderia mudar de vida por causa dela. Chegou a pensar que poderia ter uma vida diferente, mas quando acordou e foi tomar café com a família, conheceu o preconceito nada velado dos brancos…

O “sogro” quase teve um infarto. Primeiro achou que era um assalto, depois imaginou um possível sequestro, mas por fim entendeu que sua filha estava se vingando dele porque ele não a deixou ir com as amigas para a Disneylândia.

– Filha, o que significa isso?
– Pai, mãe, esse é o Ciro. A gente tá ficando…
– Desculpa, é Ciro, não?
– Sim, senhor. Respondeu. Ciro estendeu a mão para cumprimentar o Desembarcador, mas ficou com a mão no ar.
– Minha filha, vem aqui um pouquinho.
– Claro, papai.

Eles foram para sala ao lado, fecharam uma porta de vidro e começaram a conversar. Sua esposa e a irmã caçula se retiraram da mesa. Ciro ficou sozinho. As empregadas começaram a recolher o café. Pela porta, Ciro ouviu a conversa do pai com a filha.

– Que merda é essa Maryana, como tu traz um marginal desses pra dentro desta casa?
– Mas pai, o Ciro é um cara legal.
– O que? Tu viu a cor dele, parece o Gerson.
– Que Gerson, pai?
– O porteiro.
– E o que tem isso?
– O que tem isso? Ele é sujo, pobre e cheira mal.
– Pai!!!
– Desculpa, filha, mas é inadmissível o que tu fez.
– Eu não acredito que tu falou isso, pai.
– Estou na minha casa, falo o que eu quiser, mas eu sei porque tu fez isso. Uma afronta contra mim. Deve ser porque não te deixei viajar com as meninas, não é? Mas se tu quiser eu pago um voo fretado pra tu ir encontrar com elas em Orlando.
– Pai, tu tá falando sério?

Enquanto descia a Avenida Independência, sentia um misto de raiva, ódio e sede de vingança. Nunca tinha sentindo o racismo tão próximo

Nesse meio tempo, Ciro pegou suas coisas e saiu porta afora. Enquanto descia a Avenida Independência, sentia um misto de raiva, ódio e sede de vingança. Nunca tinha sentindo o racismo tão próximo, nunca tinha sentindo na pele o preconceito. O tal Desembargador tinha ultrapassado a linha imaginária. Humilhado, entrou em seu apê e quebrou uma janela com um soco. Jurou nunca mais se envolveria com patricinhas e fez uma promessa: foder todos os brancos que passassem pelo seu caminho. Foi assim que o Cabeça convenceu o Ciro a misturar a cocaína.

Cabeça era o melhor amigo do Ciro. O negrão era malandro e não gostava do Muca e do Taxo. Cheirava todo o lucro, mas era o que mais se divertia. Quando conheceu o Bolão percebeu que aquela gurizada cheiraria qualquer coisa que estivesse dentro de um saco, só precisava ser um pó branco. Foi o Bolão que ensinou pra ele as manhas. Bolão pegava uma bucha e com a mistura de remédios e soros infantis fazia, no mínimo, mais três. Seu lucro crescia mais que a inflação do país.

– Porra, Cirão! Vamo fazê isso também!
– Não podemos fazer isso, Cabeça. As pinta vão notar.
– Quem vai notar, esse bando de viciado do caralho? Duvido!
– E o Muca e o Taxo?
– Fala sério! Esses idiotas tratam a gente que nem lixo. Não sei porque tu ainda baixa a cabeça pra esses brancos de merda. A hora que der merda tu acha mesmo que eles vão fazer alguma coisa por ti? Foda-se eles! Vamos usar esse otários e ganhar dinheiro, irmão!

Ciro queria vingança pela humilhação que havia passado e o papo com o Cabeça foi o estopim. Agora a firma iria ganhar novos ares. Então fizeram uma reunião. Ciro falou com a gurizada. O Arroz, o Bigode e o Coelho toparam na hora. Claudinho concordou, mas ficou com o pé atrás.

Na noite seguinte se reuniram com Reco, Bolão e o Azeitona. Fizeram um acordo bacana. Agora eles tinham um novo fornecedor e com a mistura as vendas subiram trezentos por cento. Ciro conhecia um médico do Pronto Socorro, que cheirava pra caralho durante o plantão, e durante uma dessas conversas descobriu que existia um remédio pra trancar a vontade de cagar.

Continua…

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.