Memória BF | ‘The Miseducation of Lauryn Hill’ completa 21 anos

Capa do álbum

Em 25 de agosto de 1998 era lançado oficialmente o primeiro e único álbum de estúdio da Diva Lauryn Hill, ‘The Miseducation of Lauryn Hill’. O sucesso com o Fugees fez com que Lauryn se tornasse umas das vozes femininas mais importantes do Rap, ela virou referência musical para muitas mulheres.

Ainda em meio ao sucesso do seu ex-grupo, ela se envolveu com Rohan Marley, acabou tendo um filho e essa experiência, somada as brigas entre os integrantes do Fugees, a influenciaram a trabalhar em um disco solo.

‘The Miseducation’ é uma obra prima, com 14 faixas e poucas participações – Mary J. Blige, D’Angelo, Carlos Santana, DJ Supreme e John Legend (esse último desconhecido até aquele momento). O título do álbum é uma mistura de palavras que dão o significado de “educação pela música de Lauryn Hill”. Ela se inspirou no filme ‘The Education of Sonny Carson’, que foi baseado na autobiografia do ativista negro Sonny Carson e também no livro ‘The Mis-Education of the Negro’ do Dr. Carter G. Woodson – o filme é de 1974 e o livro de 1933.

Assista a performance ao vivo da música “Ex-factor”

Com esse trabalho solo Lauryn foi sucesso absoluto no mundo todo, foi disco de platina em diversos países e cravou de vez seu nome entre as mulheres mais importantes e influentes da música mundial. Três singles foram lançados e ajudaram muito para esse sucesso do álbum: “Doo wop (That thing)”, “Ex-Factor”, “Everything is everything”. Na 41ª edição do Grammy, em 1999, ela foi a primeira mulher a ser indicada em dez categorias, ganhou cinco: Álbum do Ano, Melhor Artista Novo, Melhor Performance Vocal Feminina de R&B com “Doo wop (That thing)”, Melhor Música R&B com “Doo wop” (também foi indicada com a música “A Rose Is Still a Rose”, interpretada por Aretha Franklin) e Melhor Álbum R&B.

Assista ao vídeo de “Doo wop” legendado

Claro que a fama não trouxe apenas coisas boas, todos sabem que a carreira da cantora foi repleta de polêmicas e problemas pessoais e profissionais que se misturaram. Um deles foi antes de todos esses prêmios, em 1998, a banda New Ark, que participou ativamente no disco, entrou com um processo contra Lauryn alegando não terem recebido os créditos devidos por sua participação no disco. Entre idas e vindas o problema só foi resolvido no início de 2001 e fora dos tribunais, Lauryn pagou a banda cinco milhões de dólares.

Assista ao vídeo de “Everything is everything”

Mas independente de qualquer coisa, Lauryn conseguiu enfrentar tudo e ainda é reconhecida como uma das vozes femininas mais importantes do Rap e do R&B. Começou em 2018 uma turnê de 20 de anos do disco, que passou pelo Brasil em maio de 2019 e continua viajando o mundo. Se colocar na balança os prós e os contras, o resultado ainda é positivo – entre tantos prêmios, o reconhecimento mundial, a compreensão dos fãs e cerca de 20 milhões de cópias vendidas.

Relembre essa obra prima

 

Interaja conosco, deixe seu comentário, crítica ou opinião

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.