Um disco com mais de 100 samples – ‘Paul’s Boutique’, do Beastie Boys, completa 30 Anos

0
273
Capa do disco

Paul’s Boutique” é o segundo disco do Beastie Boys, trio novaiorquino do Brooklyn formado por Ad-Rock, MCA e Mike D. Depois do grande sucesso com o álbum de estreia no Rap (“Licensed To Ill”), lançado pela Def Jam em 1986, eles saíram da gravadora e decidiram também sair da cidade natal para gravar o disco que seria um divisor de águas.

Já com nova gravadora (Capitol/Emi), eles procuraram novos ares em Los Angeles e deixaram a produção do disco nas mãos dos Dust Brothers (E.Z. Mike e King Gizmo), juntamente com o produtor e engenheiro brasileiro Mario Caldato Jr., que se tornaria um grande parceiro e produziria discos e músicas que marcariam a carreira do Beastie Boys. As faixas foram gravadas entre 1988 e 1989, no apartamento de Matt Dike, um dos fundadores da Delicious Vinyl, e no estúdio Record Plant.

Este disco acabou não alcançando o mesmo sucesso do trabalho anterior, pelo menos não imediatamente. Hoje o álbum é considerado um clássico, mas em 1989, tendo como referência o “Licensed to Ill”, não foi tão bem comercialmente. Mas na cabeça do trio não era mesmo pra ser, eles queriam um disco experimental. Conseguiram. A característica mais marcante no “Paul’s Boutique” é a quantidade de samples utilizados, não dá nem pra listar aqui. São 105 samples oficialmente identificados.

Com as leis de direitos autorais que existem hoje, um artista do mesmo porte deles jamais conseguiria fazer um disco igual. Poderia até fazer, mas dificilmente conseguiria a liberação de todos os direitos e, consequentemente, teria problemas com a execução nas plataformas digitais, pois as leis estão cada vez mais restritivas a esta prática. Em 2003, Mario Caldato declarou que foram gastos U$ 250,000 com direitos autorais e até aquele momento eles ainda tinham processos na justiça por conta disso.

Siga o BF no Twitter – www.twitter.com/bocadaforte

A dupla responsável pela produção do disco já tinha um trabalho instrumental construído com samples e não pensavam em colocar isso no disco. A iniciativa de usar e rimar em cima das batidas partiu do grupo, que acabou convencendo os produtores. O álbum tem 15 faixas, mas você vai encontrar por aí exemplares com 23, por conta da última música do disco, a “B-Boy Bouillabaisse”, que é uma coisa de maluco. Esta faixa é 9 em 1. Só nessa maluquice foram usados 24 samples, em uma versão do disco ela foi dividida e tem os nove títulos: “59 Chrystie Street”, “Get on the Mic”, “Stop That Train”, “A Year and a Day”, “Hello Brooklyn”, “Dropping Names”, “Lay It on Me”, “Mike on the Mic” e “A.W.O.L.”. Do total, apenas duas foram lançadas como single, “Shadrach” e “Hey ladies”, mas vale destacar também duas que fizeram bastante sucesso “Shake your rump” (veja o vídeo abaixo) e “Johnny ryall”. O disco tem muitos scratchs, todos por conta do DJ Hurricane, que ficou com o trio até 1997.

Foto panorâmica do encarte e capa do disco

Essa “Boutique do Paulo” é um caso a ser estudado a fundo. Foi uma coisa de maluco mesmo. Tem uma edição japonesa com mais duas faixas instrumentais, com performance do DJ – “33% God” e “Dis Yourself in ’89 (Just Do It)” –  e mais 4 que se juntam a essas e são consideradas Lado B – “And what you give is what you get”, “Some dumb cop gave me two tickets already”, “Caught in the middle of a 3-way mix” e “Your sister’s def”. E não para por aí. Tem ainda uma música que ficou perdida, chamada “The Jerry Lewis”.

Mural pintado por Danielle Mastrion em comemoração ao 25º aniversário do disco, na esquina das ruas Ludlow e Rivington

A maior prova de como este disco virou um grande clássico é a quantidade de comemorações e homenagens a cada década que o disco completa. Quando completou 20 anos ele foi remasterizado e relançado. Em 2014, quando completou 25 anos, a artista Danielle Mastrion fez um mural justamente no mesmo local onde foi feita a foto da capa, na esquina entre as ruas Ludlow e Rivington, em Nova York.

O disco realmente merece todas essas celebrações e reconhecimento. O trio poderia ter optado por fazer um álbum totalmente comercial e aproveitar o embalo da estreia, mas preferiram experimentar e levar o uso de samples para outro nível. Agora, em seus 30 anos, por exemplo, a linha Skate da Adidas lança um tênis comemorativo.

Ouça o disco no formato original lançado em 1989

Assista ao vídeo de “Hey ladies”

Assista ao vídeo de “Shake your rump”

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.